segunda-feira, 8 de junho de 2009

Aquelas pessoas especiais.

Era um sábado, seis de junho. A festa junina da minha escola foi naquele mesmo dia, de noite. Foi por isso que acordei cedo, antes das 8h da manhã, para levar minha calça jeans para uma senhora conhecida fazer a barra. O tempo estava mais alegre, minha alma acordou cantando e o brilho no meu olhar foi inevitável; cheguei na casa daquela senhora e me deparei com um sorriso calmo me cumprimentando, me mandou entrar e arrumar a calça. Não sei se aquele dia eu estava me afeiçoando com muita facilidade pelas pessoas, ou se aquela mulher simpática que eu conheço há tempos tem algo de especial, mas eu me afeiçoei à ela, daquele jeito de comentar sobre o tempo e dizer que minha mãe tinha criado uma garota bem simpática; ela começou a dizer sobre costuras, sobre trabalho e a vida dela. Naquela hora eu percebi que não me importa quantas pessoas me façam mal, quantas briguem comigo ou me jogue para baixo, a vida tinha sentido justamente pelas pessoas como aquela mulher, que passam em nossas vidas por questão de meia hora, ou meia década, a importância involuntária que elas deixam é o que eterniza. O sorriso muda tudo, e a vontade de nunca abandonarmos as pessoas é fortíssima. É tão bom quando acordamos e vemos uma carta jogada na varanda, de alguém que não vemos há anos; encontrar amigos de infância, rir sem a menor preocupação. E quando saí da casa da mulher, com meu jeans pronto na sacola, ali no meio da rua eu percebi que coisas especiais não podem ser palpadas com a mão, nem são escritas e nem faladas, mas são sentidas e vistas pelo brilho do olhar; e senti uma imensa sensação de liberdade, sensação boa e segura, de que há um mundo lá fora, um mundo bom que basta apenas nós enxergarmos.

8 comentários:

Isadora disse...

nossa, já conheci pessoas assim.
E fiquei exatamente com a mesma sensação. De que ainda tem esperança pra esse mundo. *--*

J. disse...

todos lugares que olho sempre achamos pessoas que nos marcam.
se der passe no meu blog, haahaaah
bjbj
J.

Thaís Velloso disse...

sem dúvida as coisas mais simples são as mais valiosas :)

J. disse...

sabe, eu apesar do exto, não sou muito ligada ao amor, sobrevivo com os pucos e bons amigos, ate que feliz, será que eu devia aproveitar mais? não sei quem sabe um dia eu descubro.
bjbj
J.

Fernando Nunes disse...

Adorei! quanto mais nos abrimos nossos olhos para vida, mais nós enxergamos que existem pessoas assim anossa volta! Na verdade estamos cercados delas, é que as circuntâncis ao nosso redor mudam um pouco...
bjos!

Marcela disse...

Que lindo, que lindo, que lindo. São essas pessoas que nos dão motivos para seguir em frente quando a nossa maior vontade é parar por ali mesmo. Parabéns gatinha, amei.

Johana Alecrim disse...

Tem um selinho lá no blog pra você, beijos!

Natallya disse...

Eu gosto muito do seu blog *--*
O jeito como vc escreve não mostra em nada a sua idade.Você tem futuro Mary =)