terça-feira, 31 de março de 2009

Quero saber.

Há coisas que eu queria saber na minha vida, são muitas, e muito complicadas. Eu não quero saber o dobro da raiz quadrada de “x”, a origem das palavras, ou o motivo da crise econômica, isso enrola meus neurônios e me deixa mais confusa do que eu já sou.
Quero saber o que as pessoas pensam quando estão cometendo um crime, com que coragem elas tem para tirar a vida do outro sem, ao menos, ter direito. Quero saber como que uma pessoa tem total capacidade de ser feliz na frente das câmeras e por trás ser um caos, como que alguém consegue viver cercada de mentiras e falsidades infames. Como que uma mãe pode chutar o filho para fora porque ele é gay ou não olhar na cara dele porque mudou de religião. Eles matam inocentes por causa de diferenças culturais, políticas ou religiosas e é considerado guerra e não homicidio em massa, quem comandou tudo isso vira herói com um sorriso estampado, isso não é um absurdo? O que leva as pessoas se sentirem evoluídas, mas internamente são tão mesquinhas e deploráveis?
Um, dois, três... Por que não inventam alguma máquina que em três segundos nossa única duvida seja de qual cor do canudinho nós escolheremos?

3 comentários:

Calvin disse...

Também quero saber, Marry
e vou mais longe: queria saber o porquê da morte. Injustiça receber a vida e não saber pra onde ir com ela. Quero saber, oras!

b. disse...

Cara, se algum dia você descobrir qualquer resposta pra uma dessas perguntas, por favor me avisa!

Bruna Bo disse...

Quando eu encontro a resposta pra alguma pergunta que eu faço, surgem novas perguntas e sempre estou em dúvida.

Você escreve bem, gata. Parabéns!