quinta-feira, 27 de agosto de 2009

Como se fosse numa mesa de bar.

Estava aqui pensando, lembrando da prova de Ensino Religioso e comendo pizza. Cheguei à conclusão que misturando todos os povos, todas as crenças, todos os neurônios, todos os mundos e todas as vidas, nada passa de um bar. E Deus... O garçom/dono/balconista.

Cada um está em uma mesa, com várias pessoas sentadas juntas, todos rindo, chorando, gritando, ou querendo fugir. Muitas vezes em uma noite só, mudamos de mesa e grupos. E a estadia nesse bar é de apenas uma noite. Uma noite para conhecermos o máximo de pessoas que pudermos; sentir cada gosto de cada sentimento, rir até a barriga doer, chorar até ficarmos com desidratação e pedirmos com urgência: “Garçom, uma água, por favor!”

Acho que estou acomodadamente inquieta na minha mesa, sou uma das clientes que mais dá trabalho: fico pedindo o tempo todo; é pizza, chocolate, água, bala, torta e pudins. Muitas vezes, saio rapidinho da minha mesa e sento em outra... Converso e dou risada com pessoas que talvez eu não as veja mais o resto da noite toda, outras ficarei esbarrando no corredor, e raras fico colada até tudo acabar.

No momento, estou escolhendo às cegas um prato ainda desconhecido, em um cardápio que não vejo o fim, mas espero que seja extenso. Da ultima vez, eu pedi milk shake, e mandaram errado... Pedi pequeno, veio gigante. Ainda estou rindo, chorando e protestando com o garçom, parece que ele não virá tão cedo. Mas acho que ele está me ouvindo, pois ele está numa mesa aqui perto, olhando pra mim com uma bondosa cara (será que está interessado por ver como estou me virando sozinha com o Milk Shake gigante que nem consigo agüentar?) e pede que eu tenha paciência.

Mas, acho que já vou berrar daqui mesmo:

- Garçom? Uma água, por favor... Nem precisa ser gelada, é apenas para tirar o excesso doce que está me dando náuseas! Obrigada.

Não importa quantas pessoas tem nesse bar, e somente possui O único garçom: ele atende e observa cada um, em cada mesa, em cada timbre, em cada riso e choro.

E mesmo comigo sendo muito pedinte, ele parece saber que não é questão de exigência, mas de confusão e impulsividade.

Então eu digo do nada:

- Ah, Garçom: a água, o sorvete, o bolo, a torta, o jiló, a raiz forte, o sushi, a feijoada, o sanduíche... Coloca na conta, por favor!

De verdade, espero que ele me dê uns 40% de desconto, porque somente sou uma garotinha, esperta, talvez; mas obviamente confusa com o cardápio cheio de coisas desconhecidas. Afinal, acho que a maioria de nós é.

8 comentários:

Isa* disse...

haha, todo cheio de metalinguagem esse seu texto, Marry! (:
mas eu adorei.

J. disse...

Amei como centro. O mundo do desconhecido.
bjbj
J.

Calvin disse...

MUITO boa metáfora!
Sim, todos nós pedimos, pedimos, pedimos, sem às vezes nem se quer saber exatamente o que estamos solicitando.
Mas o garçom de tudo sabe,conhece muito bem seus fregueses, suas conversas, anseios e preferências.
E não se esqueça de relacionar o milckshake gigante com o " Há males que vem pra bem" :)

gii disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Atreyu disse...

Cada um possui uma visão. Aminha é que ele é bom e que está no céu.
RÁ -n

Viick' disse...

eu tamém espero receber um descontinho ;~
Gostei mto do post,faz a gnt pensar bastante :D

Bjs:**

Estranha e fora do padrão - disse...

Adorei seu post! Fez pensar... rs
Muito bom mesmo :)

E.Suruba disse...

Falou bonito!
a metáfora foi legal!
bjo