sábado, 8 de maio de 2010

Amor é prosa, poesia ou nenhum dos dois.

- Ah, baby, baby. - Repetia o moço com cigarro na mão e aguardente na outra.
- Não tem nada o que falar, não? E pare de fumar, faz mal pro pulmão! - Avisou uma nerd qualquer e impaciente.
- Ter, eu tenho. - Deu uma tragada e soltou na direção da menina, só por provocação. - Mentira, acho que não tenho, não. Eu sinto muito e penso muito, sabe?
- Eu também penso muito, leio também... Acho que sinto, nos livros tem muito sentimento.
- Ai, Deus! Você acha que sente somente porque leu tal coisa em tal lugar... Só de pensar que existe pessoas assim.
-...
- Não me faça cara de ofendida! Você já sentiu o amor? Mas, assim: sentir de chegar a doer, e você não encontrar lugar que ele esteja... Talvez porque você o sente em todo lugar de si?
- Ah... amor dói por acaso, sr. Nicotina? Pois saiba que se você lêsse, perceberia que amor é lindo, deixa o mundo cor de rosa e você flutua.
- Você anda lendo o quê, ser humano? Se você lêsse algo que preste saberia que amor deixa o mundo cor de rosa lá no raio que o parta! Há exemplo maior do que Camões dizendo: "Amor é fogo que arde sem ver, é ferida que dói e não se sente, é contentamento descontente."?
- E isso não é lindo? - perguntou mais afirmando do que qualquer outra coisa.
Ele tomou um gole da aguardente, suspirou e disse:
- Vejamos: "Contentamento descontente". Me explique onde é lindo. Faça o favor, isto sim que é frustração!
- Ahá! Então já perdeu um amor? Já amou e não foi amado? Já não amou e foi amado?
- Tudo isso, Sherlock Homes. Mas não quero mais falar sobre amor, sabe? De Camões a Meyer, de Ramones a grupo de pagode... Todos já disseram algo, já tentaram entender, e toda essa baboseira. Cansa tudo isso, menina. Cansa você simplesmente não ter o que dizer sobre qualquer coisa.
- Mas é normal! Acha que um dia vou aprender o que é isso de verdade?
- Acho, sei lá.
- Mas e se eu não aprender? Tipo... eu sei tantas coisas, serei tão importante, as pessoas prestarão atenção nos meus discursos e me acharão tão correta. E se me perguntarem e eu errar sobre o que é o amor, moço?
- Tudo bem, oras! A própria Rita Lee não sabe que o amor pode ser muito mais pagão do que cristão.
Falando isso o moço deu de ombros, jogou fora o cigarro e bebeu a aguardente.
A menina fechou o livro que estava em seu colo e entendeu que o homem nem queria mais assunto, não devia ter o que dizer.

5 comentários:

Marcelo Mayer disse...

exatamente... poesia é um orgasmo mentiroso

Milla disse...

Gostei muito do texto e das ideias que você mostrou nele..Eu acho que o amor não é algo que possamos entender, mas que mesmo assim nos esforçamos demais...

beijos

Vi disse...

acho que todos tentamos definir o amor, falar sobre o amor, mas nunca vamos conseguir chegar num termo exato. porque o amor é assim, inconstante.
adorei o texto *-*

se cuida :*

gabriela m. disse...

acho extremamente complicado explicar esse tipo de coisa quando me perguntam :S

brunela disse...

Oi, vi seu blog no site da Capricho e adorei! to seguindo :) se puder visitar o meu eu ia ficar superfeliz XX