quarta-feira, 5 de maio de 2010

Frustração (talvez) poética.

Escrevendo versos sem nexo
sobre antiga paixão frustrada,
enquanto pessoas sem sexo
se procuram em toda madrugada.
O que me sobra é um interno bélico
de quando todos choravam suas dores,
comandada pelo meu coração cético
cansando de todos futuros amores.
Sei que pareço uma alienada
no meio de tantos patéticos,
no tempo em que a mente foi alagada
por um bando de sentimentos diabéticos.
As entranhas estão cheias de problemas amadores,
mesmo que tente não escrever texto desconexo,
tudo pode até se resolver com flores,
pena que meu coração é dislexo.

5 comentários:

M.F. disse...

Hahaha adorei. quase uma dança das palavras... lindo. :)

Milla disse...

ah eu gostei, como eu sempre gosto dos seus textos (talvez) poéticos :)

beijos

jefhcardoso disse...

Eu vim, né! Fui lendo. Vindo, digo. Vindo. Meio perdido, tentando me achar na leitura. E por fim, eis que tudo se torna justo e honra o sentido: foi um poema pessoal de um coração dislexo.

Estou sorrindo para você.

Abraço do Jefhcardoso

Felicidade Clandestina. disse...

ai *-* que criativo

brincando com as palavras e as rimas , nunca mais havia visto as rimas em poemas atuais . gostei muito mesmo (:

Beijos :*

Vi disse...

melhorou meu dia *-*.
nada como ler uma boa poesia (:
adorei. criativa. perfeita.

se cuida :*