domingo, 5 de julho de 2009

Sinceramente.

Desculpe, eu menti.
Menti quando disse que era melhor que você e que era o melhor para você, alias acho que não sou o melhor para ninguém.
Olhe para mim, tenho 1,45m e cabelos totalmente indomáveis; acordo de manhã com um olho arregalado e o outro minúsculo, isso quando um não resolve ser azul anil e o outro fica verde musgo. Eu tenho um problema neurológico que me faz tremer em situações nervosas e que necessita de grande coordenação motora, por conta das minhas duas paradas cardio-respiratorias (que faço questão de lembrar), e por falar nisso, ainda tenho gastrite e ulceras; e acho que sou levemente bipolar.
Eu não sei escrever coisas com grande sentido, não sei andar de bicicleta, falar inglês, desenhar, assobiar, fazer média com as pessoas, nem animar crianças, nem fazer bola de chiclete. Não sei dançar, levar o copo e o prato ao mesmo tempo e nem agir normalmente quando estou confusa. E antes que me esqueça, não sei amar pela metade, amo com atropelo e grande intensidade, porém comigo sempre tem um ‘talvez’ ou um ‘mas’ que atrapalha tudo.
Choro e dou risada quase ao mesmo tempo, tenho grande preguiça de trocar de roupa, esqueço piadas e localizações, vejo muita série policial e não tenho uma musica favorita. Não ouço Jonas Brothers ou Simple Plan, mas ouço The Beatles, Cássia Eller ou Cazuza. Sou inquieta demais, precipitada, ansiosa, extremamente espontânea e desassossegada; me mexo o tempo inteiro, falo quando devo ficar quieta e fico muda quando devo falar, faço quase tudo ao contrário, derrubo a maioria das coisas, vivo tropeçando e sou muito desafinada.
Sinceramente, há milhares de pessoas mais bonitas e perfeitas que eu, mas se você quiser, eu posso te dar o mundo inteiro, e mais um pedaço do meu (desastrado) universo.

5 comentários:

Calvin disse...

E sinceramente, acho que poucos estão realmente preparados para entrar no seu universo. Não só por causa da confusão, mas da complexidade. Talvez a maioria prefira coisas obvias.Pessoas obvias, sem que você precise de um tempopara entender, e que depois de ter passado muito tempo, descobra que o entendimento é impossível (haha). Mas você é brilhantemente incompreensível, é rara e os raros valem MUITO mais :)

Isadora disse...

Exatamente como esse Calvin disse.
Você não é normal, e (acho que já falei isso pra você) como dizia John Lennon: "Tenho maior medo desse negócio de ser normal."
(:

Beatriz Oliveira disse...

Sério, Marry.
Você falou tudo o que eu tenho vontade de falar há muito tempo e não sei como.
thanks

Milla disse...

Amei o texto, e entendo o seu lado pessoas algumas vezes não são compreendidas por serem muito mais elaboradas, digamos assim..sou complicada em pensamentos e vejo muitas pessoas com tem preguiça de tentar me decifrar, mas tudo bem..cada um cada um né

beijos

Dedé disse...

Sinceramente? Lindo.
Você falou dos teus defeitos, das tuas dificuldades e só quem é muito corajoso consegue fazer isso.
No fundo todos somos assim... humanos, diferentes, defeituosos, confusos. Só poucos conseguem admitir de forma pública e sensata.