sábado, 28 de novembro de 2009

Minha escolinha.

Gostaria de escrever meu discurso de final de ano aqui. O discurso que não falarei na formatura, o discurso pelo qual não sou oradora, porque ele não poderia ser diferente disso.


Esse ano aprendi que o mundo não irá para frente no futuro e que a minha geração é realmente uma droga. Olho no rosto de muitos e minha vontade de vomitar se torna enorme, seus sorrisos hipócritas e alienados são tão normais quanto as fofocas insanas e cruéis. Passei despercebida inúmeras vezes, ignorada outras... No silêncio, percebi que vocês acham que a herança dos seus pais, ou a droga de festas e bebidas que vocês consomem compulsivamente lhe dão direito de pisotear quem vocês quiserem, de rir e maltratar quem não concorda com a opinião raza e copiada de vocês. Suas brincadeiras são escrotas, suas indiretas e imaturidades provam que suas opiniões sobre o futuro e a humanidade é nula, que para vocês o mundo se baseia naquilo que vocês gostam e vivem, e que o resto pode ser descartado como lixo.
Enquanto ocupam o tempo tratando quem vê as coisas de outro modo como alienígenas, eu, não mais de uma vez, tentei dizer que a sua guerra de giz e o seu cabelinho banal é babaquice. Tentei alertar que essa felicidade é, na realidade, uma tragédia e uma caretice enorme, que a geração passada era muito melhor que essa por conta de pessoas como vocês. Que falar e fingir não é fazer o que quer e nem é ser a real pessoa que todos sabem que você é, só você ainda não reparou nisso.
Muitas vezes posso parecer má por não ter dó de vocês, mas e quem tem dó de mim? Que tem a mente atrofiada toda droga de manhã, olhando os olhinhos falsos de cada um e me segurando para não esganá-los e berrar até ficar rouca que vocês são um bando de infelizes. Ah! Como eu queria ser uma fada e destribuir cérebros (ou então destribruir balas na cabeça de muitos).
Sinceramente, as pessoas que eu sou legal com elas é porque eu realmente gosto e não tenho nada contra, mas infelizmente são tão raros que eu conto nos dedos. Eu não precisaria estar escrevendo nada disso se vocês, ao menos, percebecem que os outros não são bestas e que o céu é realmente maior; mas pena que não é assim. Esse ano acabou, até que enfim. Só desejo à muitos que vejam que as suas loucuras são apenas as realidades de muitos.

12 comentários:

Felicidade Clandestina. disse...

oun flor. Adoro teus textos !!



bjos doces á você
e um ótimo resto de semana.

Thais disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Thais disse...

HAHA, na boa, adoreeei! Pra variar.
Desabafou TOTAL!!! Muito bom, Marry! \o/\o/

E distribuir bala na cabeça de muitos... não é má ideia! Porque tem gente que parece que pede. ♥ /brincs (: huahauhuau

Natália Corrêa disse...

Ah... você me fez lembrar como escolinhas podem ser crueis, e como nossos coleguinhas podem ser acéfalos... e o quanto tudo isso é revoltante u.u

Tay'' disse...

Adorei,
seus textos como sempre, perfeitos *-*

bjus ;*

*Andreza Rocha* disse...

Sei que tu já sabe que eu AMO ler o que tu escreve... Geralmente é porque eu concordo na maioria das vezes com teu ponto de vista. Esse post foi perfeito, e eu pude me identificar por completo com o seu papel.
Tomara que tu continue sempre assim. *-*

Luciana disse...

Já disse que às vezes você escreve textos tão bons que me deixa sem ter o que dizer? É.
(E que pena que você não é uma fadinha metralhadora hahahahahaha - Teríamos um mundo muito mais limpo =x)E pagava pra você ler isso na formatura, sério!!!

Isa* disse...

posso dar um ctrl+c nesse texto e enviar pras pessoas da minha sala?
juro que é essa a minha vontade.

Nathalie Cobain disse...

Realmente, a juventude está assim e são raras as pessoas, como você, que param pra pensar nisso, porque o resto já está envolvido nesse mundinho alienado. Ano passado convivi com muita gente fútil, que por dentro poderiam ser muito melhores, mas não viam isso. Esse ano graças a Deus, mudei de escola, e conheci pessoas com personalidade, inteligentes e que sabem dar valor pras coisas. Gostei do seu blog, e estou te seguindo. Passa no meu (:

Beijos

Gabi Petrucci disse...

Entendo bem! (Y)

Mima disse...

Maria Riita minha flôr!!
Estou aqui te aplaudindo de pé.
E chamando meus amigos pra lerem isso.

Me senti representada nessa sua fala. Penso o mesmo, especialmente em minha faculdade. Achei que chegaria em um lugar onde as pessoas lutaram pelo respeito à diferença,

mas o que encontrei foi a indiferença e a apatia. A grande preocupação é com que roupa irei pra próxima calourada.
Brigada por esse texto.
Eu precisava disso.
Não estou sozinha no mundo!

akemi disse...

Nossa, você me fez sentir cada palavra do seu texto, me fez lembrar de tudo que passei na minha vida escolar, eu realmente sou muito mais escrever do que ler blogs, porque são raras as vezes que eu encontro um decente sem meninas fúteis.
Parabéns :D
Amei muito tudo o que você disse (: